segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

ESTUDO DO SALMO 09

 

Tema: Deus nunca ignora nossos pedidos de ajuda

Autor: Davi, provavelmente escrito após uma vitoria sobre os filisteus.

1.      Eu te louvarei Senhor, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas.

2.      Em ti me alegrarei e exultarei; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo;

3.      Porquanto os meus inimigos retrocedem, caem e perecem diante de ti.

4.      Sustentaste o meu direito e a minha causa; tu te assentaste no tribunal, julgando justamente.

5.      Repreendeste as nações, destruíste os ímpios; apagaste o seu nome para sempre e eternamente.

6.      Os inimigos consumidos estão; perpétuas são as suas ruínas.

7.      Mas o Senhor está entronizado para sempre; preparou o seu trono para exercer o juízo.

8.      Ele mesmo julga o mundo com justiça; julga os povos com eqüidade.

9.      O Senhor é também um alto refúgio para o oprimido, um alto refúgio em tempos de angústia.

10.  Em ti confiam os que conhecem o teu nome; porque tu, Senhor, não abandonas aqueles que te buscam.

11.  Cantai louvores ao Senhor, que habita em Sião; anunciai entre os povos os seus feitos.

12.  Pois ele, o vingador do sangue, se lembra deles; não se esquece do clamor dos aflitos.

13.  Tem misericórdia de mim, Senhor; olha a aflição que sofro daqueles que me odeias, tu que me levantas das portas da morte.

14.  Para que eu conte todos os teus louvores nas portas da filha de Sião e me alegre na tua salvação.

15.  Afundaram-se as nações na cova que abriram; na rede que ocultaram ficou preso o seu pé.

16.  O Senhor deu-se a conhecer, executou o juízo; enlaçado ficou o ímpio nos seus próprios feitos.

17.  Os ímpios irão para o Seol, sim, todas as nações que se esquecem de Deus.

18.  Pois o necessitado não será esquecido para sempre, nem a esperança dos pobres será frustrada perpetuamente.

19.  Levanta-te, Senhor! Não prevaleça o homem; sejam julgadas as nações na tua presença!

20.  Senhor incute-lhes temor! Que as nações saibam que não passam de meros homens!

COMENTÁRIO

9,1 – Obras maravilhosas. A palavra hebraica refere-se aos grandes atos de Deus, Sua intervenção nos assuntos humanos, como no êxodo do Egito.

9,3 – Quando meus inimigos voltar. Esta é uma declaração de esperança para o futuro, não uma realidade do passado.

9,4 – julgando em justiça. O salmista não é confiante em si mesmo, mas em caráter de Deus como justo juiz.

9,5 – apagado seu nome. Para ser lembrado mais, contrastando com o nome de Deus (v. 2), que será louvado para sempre.

9,7 – Mas - Embora as cidades e as pessoas podem morrer, mas o Senhor permanece para sempre. O que é suficiente para o terror de seus inimigos, e no conforto da sua igreja.

9,11 – habita em Sião. Veja Sl 2,6. Os aflitos devem saber que Deus está presente com eles no mundo.

9,12 – sangue vinga. Lit. "procura de sangue." Deus não deixa impune maldade (Gn 9,6; Nah. 1,2-6).

9,13 – portas da morte. Veja Prov. 1,12 nota. Este versículo é o primeiro sinal de perigo presente do salmista.

9,14 – às portas da filha de Sião. Comparação com as "portas da morte", no verso anterior. O salmista vai louvar a Deus pela oração respondida na maioria dos lugares públicos, em Jerusalém, a "filha de Sião".

9,15 – ter afundado no buraco que eles fizeram. Veja Ps. 7,14-16. A maldade dos inimigos vai voltar a assombrá-los.

9,17 - Infelizmente, os tradutores colocaram a palavra “inferno” na Bíblia ao invés de preservar os termos originais ou traduzi-los da forma correta. A palavra inferno é latim (inferi) e significa inferior, que vai para baixo. O termo foi distorcido pela filosofia greco-romana e não faz parte do pensamento bíblico judaico. Se a Bíblia original não foi escrita em latim, por que colocar um termo desses que gera mais confusão do que esclarecimento? Não questiono o lindo e sério trabalho dos tradutores, e sim a precisão deles. Queiramos ou não, somos influenciados por nossos pressupostos e isso, com certeza, interferiu na tradução dos termos hebraicos e gregos para “inferno”. Mais, deixando isso de lado, vamos entender o Salmo 9,17. Veja como ele é apresentado na versão Almeida, Revista e Atualizada: “Os perversos serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus.” Salmos 9,17. A palavra hebraica no texto é “sheol” e se refere ao “mundo dos mortos”, “sepultura”, etc. Mas, JAMAIS ela é empregada na Bíblia com o sentido de lago de fogo (outros termos sim, mas, referindo-se ao fogo que castigará e consumirá os pecadores não arrependidos DEPOIS do milênio – ver Apocalipse 20). Isso nos ajuda a entender o porquê de outras versões traduzirem o termo “sheol” de outras maneiras. “Eles acabarão no mundo dos mortos; para lá irão todos os que rejeitam a Deus”. Salmo 9,17 (BLH – Bíblia Na Linguagem de Hoje)  “Os ímpios serão trasladados ao sheol, todas as nações que se olvidam de Deus”. Salmo 9,17 (RVA – Versão Reina Valera, Espanhola.). “Os mais volverão ao sepulcro; todos os gentios que se olvidam de Deus” Salmos 9,17 (SEV – Las 1569 Sagradas Escrituras). A Nova Versão Internacional (NVI) assim traduz o termo: “Voltem os ímpios ao , todas as nações que se esquecem de Deus!” Desta forma, o Salmo 9,17, assim como outros versos, deve ser traduzido por “sepultura” (forma literal), “mundo dos mortos” (forma figurada), “pó”, etc., pois tanto num lugar quanto noutro os mortos estão inconscientes (Eclesiastes 9,5-6.10; Salmo 6,5) e ambas as expressões equivalem-se.  Todos, bons e maus, vão para sepulcro depois da morte. Entretanto, a diferença está no fato de que os ímpios ficarão neste lugar (sepultura), em estado de inconsciência “para todo o sempre”, após o seu castigo (que varia em intensidade e duração – ver Lucas 12,47-48), enquanto que os justos serão ressuscitados para a vida eterna (ver 1 Coríntios 15,23.51-54; 1 Tessalonicenses 4,13-16).

9,18 – os necessitados... Os pobres. A frase "os pobres e necessitados" (Sl 35,10, 74,21, Prov. 31,9; Ez. 18,12) é uma expressão fixa no Antigo Testamento, e as palavras também aparecem freqüentemente em paralelo (Sl 72,12, Jó 24,4; Sl 32,7, Amós 8,4). O significado literal é freqüentemente a pobreza, mas as palavras também podem ser utilizadas para expressar figurativamente total dependência de Deus (Sl 40,17; Sl 86,1; Sl 109,22; também Mt. 5,3 e Lc 6,20). A pobreza não é em si louvável, mas Deus dá especial atenção aos gritos dos oprimidos (Sl 12,5; 72,4 nota). Jeremias equivale trazer "justiça e justiça" para os "pobres e necessitados", com "Knowing Me" (Jeremias 22,15, 16). Esta foi uma clara responsabilidade dos deten