segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

CAIM




Caim é um personagem do Antigo Testamento da Bíblia, sendo o filho da queda de Adão e Eva. Era um lavrador. Em hebraico, Caim significa "lança", sendo que a sua transliteração seria "Qayin". Este nome também é associado a uma outra forma verbal, "Qanah", que pode significar "obter" ou "provocar ciúme". Algumas obras associam o nome com a expressão "algo produzido".

Caim matou quem?

Caim matou seu irmão mais novo, Abel, porque tinha ciúme dele. Os dois ofereceram sacrifícios a Deus mas Deus só aceitou Abel e seu sacrifício. Caim ficou zangado e acabou matando Abel.

Como Caim matou Abel?

A Bíblia não diz como Caim matou Abel. Os dois foram para o campo e lá Caim atacou Abel e o matou. Depois ele fingiu não saber o que tinha acontecido com seu irmão.

Não diz em lado nenhum que os dois brigaram ou lutaram. Tudo indica que Caim matou Abel em sangue frio, sem ter desculpa, porque sentiu ciúme dele.

Por que Deus rejeitou o sacrifício de Caim?

O próprio Deus dá a resposta na história:

“O Senhor disse a Caim: ““ Por que você está furioso? Por que se transtornou o seu rosto? Se você fizer o bem, não será aceito? Mas, se não o fizer, saiba que o pecado o ameaça à porta; ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo”. - Gênesis 4:6-7

Fica claro que Caim não fazia o bem, por isso seu sacrifício foi rejeitado. O sacrifício de Abel agradou a Deus, não porque era carne mas porque seu coração era bom. Para Deus, o importante é o interior, não a aparência exterior. Atos religiosos feitos sem sinceridade não têm valor (Oséias 6:6).
Veja também: o que era a marca de Caim?

O que aconteceu com Caim?

Deus expulsou Caim de sua terra natal e amaldiçoou suas plantações. Também colocou em Caim um sinal para que ninguém o matasse em vingança de Abel. Caim fugiu da sua família e se estabeleceu na terra de Node, onde teve filhos com sua mulher e fundou uma cidade. Ele deu o nome de seu filho à cidade – Enoque.

O que era a marca de Caim?

A Bíblia não diz o que era a marca de Caim. Apenas diz que Caim recebeu uma marca de Deus, para proteção contra vingadores. Existem muitas teorias sobre o que era a marca de Caim mas nenhuma tem base bíblica.

Quando Caim matou Abel, Deus o condenou a viver como fugitivo pelo resto da vida (Gênesis 4:10-12). Caim ficou com medo, porque as outras pessoas poderiam querer matá-lo, como vingança por Abel. Então Deus prometeu a Caim que se alguém o matasse, receberia uma vingança sete vezes pior. Deus colocou uma marca em Caim, para que ninguém o matasse (Gênesis 4:13-15).

A Bíblia não nos diz o que era a marca de Caim mas podemos saber algumas coisas sobre ela:

• Estava ligado apenas a Caim – Deus colocou a marca sobre Caim; não há nenhuma indicação que a marca passou aos seus descendentes
• Servia de proteção a Caim – as pessoas, ao encontrarem Caim, não o matariam
• Não o impediu de casar e ter filhos – a marca protegia Caim de ser morto mas não o impedia de ter relações sociais com outras pessoas - Gênesis 4:17

Pela informação que a Bíblia nos dá, não podemos saber se a marca de Caim era uma marca física, em seu corpo, ou algo que aparecia junto dele ou se era algum tipo de marca espiritual. A Bíblia apenas diz que era um sinal, que outras pessoas podiam reconhecer e entendiam que era um aviso contra matar Caim.

A marca de Caim na cultura popular

Caim e sua marca são alvo de muita especulação na cultura popular. Séries televisivas e jogos de computador às vezes incorporam a marca de Caim em suas histórias. É muito importante lembrar que essas histórias são ficção. Quando pegam em elementos ou personagens da Bíblia, distorcem sua história, inventando muita coisa para caber na história que estão contando. São histórias inventadas, não são fontes de informação dignas de confiança.

Quem foi à esposa de Caim?

A Bíblia não diz quem foi à esposa de Caim. Essa informação não é relevante para a história. Caim provavelmente se casou com uma irmã ou sobrinha sua. Adão e Eva tiveram outros filhos além de Caim, Abel e Sete.

A Bíblia diz que todas as pessoas do mundo são descendentes de Adão e Eva (Gênesis 3,20). Por isso, a esposa de Caim deve ter sido seu parente. Para entender melhor de onde veio a esposa de Caim, vamos ver a cronologia dos eventos na Bíblia:

·         Adão e Eva foram expulsos do Éden
·         Adão teve relações com Eva e Caim nasceu (Gênesis 4:1) – outras traduções dizem que Adão “conheceu” Eva; nesse contexto “conhecer” significa ter relações.
·         Eva teve outro filho – Abel (Gênesis 4:2)
·         Caim e Abel cresceram e seguiram diferentes profissões
·         Caim e Abel ofereceram sacrifícios a Deus mas Deus rejeitou o sacrifício de Caim
·         Caim ficou com inveja de Abel e o matou (Gênesis 4:8)
·         Deus confrontou Caim e o expulsou da terra de seus pais
·         Caim fugiu para um lugar chamado Node (Gênesis 4:16)
·         Adão e Eva tiveram outros filhos e filhas depois da morte de Abel (Gênesis 4:25; Gênesis 5:4)
·         Caim teve relações com sua mulher e ela teve um filho (Gênesis 4:17) – novamente aqui algumas traduções usam “conhecer” com o sentido de ter relações

A Bíblia não diz quanto tempo passou entre esses eventos nem tudo que aconteceu pelo meio. Por exemplo, a Bíblia conta sobre o nascimento de Abel logo depois do nascimento de Caim sem dizer que entre os dois eventos passaram pelo menos 9 meses. A Bíblia não diz:

·         Quando Caim se casou
·         Se Adão e Eva tiveram outros filhos e filhas antes de Sete – Caim parece implicar que tinha outros parentes que o poderiam matar mas a Bíblia não é clara (Gênesis 4:13-14)

O mais provável é que Caim tenha se casado com uma de suas irmãs. Se ele se casou muito tarde, ele pode ter se casado com uma sobrinha ou com uma irmã que nasceu depois de Sete. Naquele tempo o casamento entre irmãos era necessário porque não havia outras opções.

Para saber mais sobre a vida de Caim, leia Gênesis 4.



quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

GENEALOGIA DE JESUS CRISTO


Qual é a genealogia de Jesus? Por que há duas diferentes?

A genealogia de Jesus na Bíblia mostra que ele era descendente do rei Davi, da tribo de Judá, do povo de Israel. Com isso, Jesus cumpriu várias profecias do Antigo Testamento sobre o Messias, o salvador do mundo. Jesus era, na verdade, filho de Deus, mas sua genealogia oficial foi considerada a partir de seus pais terrenos.

Os evangelhos de Mateus e Lucas registram a genealogia de Jesus, mostrando que ele era o salvador prometido. O evangelho de Mateus traça a linhagem de Jesus desde Abraão, a quem Deus prometeu que todos os povos da terra seriam abençoados por meio de sua descendência (Gênesis 12:1-3). Os descendentes de Abraão, que herdaram a promessa de Deus, se tornaram o povo de Israel.

O evangelho de Lucas traça a linhagem de Jesus mais longe, até Adão, chamado de filho de Deus (Lucas 3:38). Deus criou Adão, o primeiro homem, e Jesus, como descendente dele, estava se identificando com toda a humanidade. Ao mesmo tempo, o fim da genealogia de Lucas ressalta o lado divino de Jesus.

As duas genealogias também mostram que Jesus era descendente de Davi, o rei de Israel (Mateus 1:1). Deus Prometeu a Davi que sua descendência iria reinar para sempre. Alguns séculos depois, Israel deixou de ter um rei, mas essa profecia se cumpriu em Jesus, que é o rei eterno (2 Samuel 7:16).

Deus escolheu José e Maria para serem os pais adotivos de Jesus para cumprir as profecias do Antigo Testamento. Como descendente de Davi, ele tinha direito ao trono por herança. Sua genealogia é uma prova que ele é o salvador prometido por Deus.

Por que Jesus tem duas genealogias diferentes na Bíblia?

A Bíblia não explica por que as duas genealogias de Jesus são diferentes. As genealogias de Mateus e Lucas estão em acordo de Abraão a Davi, mas têm registros diferentes depois do rei Davi. A genealogia de Mateus traça os antepassados de Jesus através da linhagem real, dos descendentes de Salomão, herdeiro do trono de Davi. Mas a genealogia de Lucas traça sua descendência através de Natã, outro filho de Davi.

Algumas pessoas acham que isso é um erro da Bíblia. No entanto, famílias e genealogias podem se tornar muito complicadas. Existem várias teorias credíveis que podem explicar essa diferença. As três principais são:

Genealogias do pai e da mãe

Uma teoria muito popular é que uma das genealogias é de José e outra é de Maria. A genealogia de Jesus em Lucas diz que José era filho de Eli. Talvez aqui o significado de “filho” seja genro, visto que as mulheres raramente eram contadas em genealogias. Como marido de Maria, José poderia ser considerado filho do pai dela. Assim, a genealogia em Lucas seria na verdade a genealogia de Maria.

Adoção

Outra possibilidade é que José foi adotado. Nessa época, havia formas de adotar alguém oficialmente como filho. Se, por exemplo, o pai de José tivesse morrido quando ele era novo, ele pode ter sido adotado por outro parente distante. Assim, ele seria filho biológico de um homem mas filho legal de outro. As duas genealogias estariam corretas, porque ele teria direito à herança do pai biológico mas também a parte da herança do pai legal.

Casamento de levirato

Existe ainda a possibilidade que aconteceu um casamento por levirato. Segundo a lei judaica, se um homem morresse sem deixar filhos, um parente seu deveria casar com sua viúva (Deuteronômio 25:5-6). O filho que nascesse desse casamento seria considerado filho legal do homem morto e receberia sua herança. Se José fosse filho de um casamento por levirato, aconteceria como no caso da adoção: seria filho biológico de um pai mas filho legal de outro.

De qualquer forma, as duas genealogias de Jesus mostram que ele era descendente de Davi e cumpria as profecias sobre o salvador prometido.


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

O QUE É RESSURREIÇÃO


Imagem relacionada

A ressurreição é a restauração da vida a quem estava morto, pelo poder de Deus. Assim como Jesus ressuscitou, um dia todos os salvos serão ressuscitados e receberão a vida eterna. A ressurreição é nossa grande esperança.
Ao longo da história da Bíblia, Deus ressuscitou algumas pessoas que morreram. Todas essas pessoas voltaram à vida e tiveram a oportunidade de viver mais algum tempo aqui na terra. Mas, no fim, todas essas pessoas acabaram por morrer definitivamente. Porém, a ressurreição de Jesus foi diferente.

Como foi a ressurreição de Jesus?

A ressurreição de Jesus é o marco central do evangelho. Jesus morreu na cruz e ressuscitou três dias depois. A ressurreição foi um acontecimento milagroso presenciado por várias pessoas e relatado no Novo Testamento.
Quando Jesus ressuscitou, ele não voltou a morrer. Jesus ainda está vivo hoje! Com sua ressurreição, Jesus venceu o poder da morte. O preço que ele pagou na cruz por nossos pecados foi mais que suficiente, por isso ele não podia continuar morto (Atos dos Apóstolos 2:24). Agora ele vive para sempre.
A ressurreição de Jesus mudou o mundo. Esse ato poderoso de Deus mostrou que nada é impossível. Se Jesus levou os pecados de todo o mundo e ressuscitou, todos podem ser salvos! Não existe pecado que não pode ser perdoado, se nos arrependermos.
Jesus é a prova que a ressurreição dos mortos é real (Romanos 8:11). Assim como Jesus ressuscitou, um dia todos os salvos ressuscitarão e viverão para sempre!

A ressurreição de Jesus

Antes de sua crucificação, Jesus já tinha avisado que precisava morrer pelos pecados da humanidade. Os inimigos de Jesus conspiraram contra ele e o crucificaram na época da Páscoa, na sexta-feira. Mas Deus usou tudo isso para cumprir Seu plano...

Jesus morreu e foi sepultado na sexta-feira. Uma grande pedra foi colocada sobre a entrada de seu túmulo, que também foi lacrado. Além disso, um destacamento de soldados ficou a guardar o túmulo, para que ninguém roubasse o corpo (Mateus 27:66).

No terceiro dia, ao domingo, logo de madrugada, houve um terremoto e um anjo retirou a pedra do sepulcro. Os guardas caíram, cheios de medo. Quando algumas mulheres chegaram para ungir o corpo de Jesus, elas encontraram o túmulo vazio e o anjo lhes contou que Jesus estava vivo! - Marcos 16:6-7

Jesus também apareceu às mulheres e as mandou contar tudo aos outros discípulos. De início, os discípulos não acreditaram nas mulheres mas Pedro e João foram para o túmulo e viram que estava vazio (João 20:6-8). Mais tarde nesse dia, dois discípulos encontraram Jesus na estrada para um lugar chamado Emaús. Jesus conversou com eles e lhes explicou a razão da crucificação.

Jesus também apareceu várias vezes aos apóstolos e mostrou que estava vivo, deixando-os tocar em seu corpo e comendo comida (Lucas 24:38-40). A ressurreição de Jesus não foi apenas uma visão espiritual, ele ressuscitou fisicamente.

Ao longo de 40 dias depois de sua morte, Jesus apareceu várias vezes vivo e ensinou seus discípulos. Mais de 500 pessoas viram Jesus depois que ressuscitou! - 1 Coríntios 15:4-6

Por que a ressurreição de Jesus é tão importante?

A Bíblia diz que a ressurreição de Jesus é a base de toda a fé cristã. Se Jesus não ressuscitou, nossa fé é inútil, porque nossos pecados não foram perdoados (1 Coríntios 15:17-19). Quando Jesus ressuscitou, ele mostrou que o castigo do pecado estava completamente pago.

A ressurreição de Jesus mostrou que seu sacrifício na cruz foi perfeito. Como o preço foi todo pago, Jesus não podia continuar morto (Atos dos Apóstolos 2:24). Ele venceu a morte!

A morte de Jesus sem a ressurreição não tem muito valor. Muitos homens de Deus foram mortos mas nenhum ressuscitou para a vida eterna! Com sua ressurreição, Jesus provou que ele era mais que um bom homem; ele é o Filho de Deus.

A ressurreição de Jesus também prova que a ressurreição dos mortos é real. Assim como Jesus ressuscitou, um dia todos os salvos vão ressuscitar e ter a vida eterna (1 Coríntios 15:20-22). A ressurreição de Jesus é nossa esperança.

Onde esteve Jesus nos três dias entre a sua morte e ressurreição?

A Bíblia não diz onde Jesus esteve nos três dias entre sua morte e ressurreição. Apenas diz que ele estava morto. O mais importante é que Jesus morreu e depois ressuscitou. Não é essencial saber onde ele foi entre esses dois eventos.

Existem várias teorias sobre onde Jesus esteve entre sua morte e ressurreição:

1. No Céu

Quando estava na cruz, Jesus disse ao ladrão do seu lado que os dois estariam juntos no paraíso nesse mesmo dia (Lucas 23:42-43). Para muitos, isso prova que Jesus passou o tempo de sua morte no Céu.

2. No inferno

Algumas pessoas acreditam que 1 Pedro 3:18-20 significa que Jesus foi pregar no inferno aos “espíritos em prisão” enquanto estava morto. Existem várias interpretações sobre esta passagem e é difícil formar uma teoria sólida com ela.

3. Em um lugar intermédio

A Bíblia diz que Jesus “desceu às profundezas da terra” (Efésios 4:9-10). Algumas pessoas acreditam que esse é um lugar intermédio, o mundo dos mortos conhecido como Sheol ou Hades, onde as pessoas esperam pelo Juízo Final.

É muito difícil dizer onde Jesus esteve nesses três dias porque a Bíblia não nos dá informação clara sobre o que acontece com os mortos. Sabemos que os salvos irão para o Céu e os condenados irão para o inferno no Juízo Final (Daniel 12:2) mas é difícil dizer o que acontece antes do Juízo Final. Nem sequer sabemos se o tempo passa da mesma maneira para os mortos! A única certeza que temos é que os salvos encontram paz na morte mas os condenados encontram tormento.

A Bíblia diz que Jesus morreu de verdade (João 19:33-34). Ele passou pela mesma experiência de morrer que todos passam. Sua vida deixou seu corpo e ele foi sepultado. Durante três dias ele ficou morto mas depois ressuscitou! Onde ele esteve entre esses dois eventos não é importante.

Jesus pregou no inferno?

A Bíblia não é clara sobre se Jesus pregou no inferno, no tempo entre Sua morte e ressurreição. Essa ideia é baseada em poucos versículos, que são controversos. Quer Jesus tenha pregado ou não no inferno, depois da morte não há mais chance de arrependimento e salvação (Hebreus 9:27-28).

Jesus no inferno

A Bíblia diz que Jesus desceu ao Hades, que é traduzido por inferno mas significa o mundo dos mortos em geral. Jesus esteve realmente morto, Ele teve a mesma experiência de morte que nós. Mas Jesus não ficou no mundo dos mortos, ele ressuscitou (Efésios 4:9-10). Quando a Bíblia diz que Jesus foi para o Hades, significa que ele morreu de verdade, não que tenha ido para o tormento do inferno.

A Bíblia não nos conta o que Jesus fez enquanto esteve morto porque esse assunto não tem grande relevância. O importante é o que aconteceu depois: Sua ressurreição. Quando ressuscitou, Jesus venceu a morte e destruiu seu poder. Quem se arrepende e aceita Jesus como seu salvador não precisa mais ter medo da morte.

A sugestão que Jesus pregou no inferno vem da interpretação de 1 Pedro 3:18-20. Existem várias teorias sobre o significado dessa passagem:

·         Enquanto Jesus esteve morto, ele pregou às pessoas que morreram no Dilúvio;
·         Depois de Sua ressurreição, Jesus voltou ao Seu estado glorificado, no qual no passado Ele tinha pregado ao povo antes do Dilúvio (possivelmente por meio de Noé)
·         O Espírito aqui se refere ao Espírito Santo, que vem anunciando a vinda de Jesus desde o início
·         Enquanto esteve morto, Jesus pregou aos anjos caídos que estão presos no inferno.

Mesmo para quem aceita que Jesus pregou no inferno, não há indicação que essa pregação foi de arrependimento e salvação, nem que os ouvintes tiveram essa oportunidade no inferno. Não sabemos o que foi pregado.

A ressurreição dos mortos

A Bíblia diz que, no fim dos tempos, os mortos ressuscitarão (Daniel 12:2). Os que rejeitaram a Deus receberão condenação eterna, mas os salvos viverão para sempre junto de Deus.
Assim como o corpo de Jesus foi transformado na ressurreição, os salvos também receberão corpos transformados, incorruptíveis (1 Coríntios 15:42-44). Isso significa que não ficarão velhos nem deixarão de funcionar. Os corpos dos salvos não sofrerão mais as consequências do pecado. Viverão para sempre, sem mais dor nem sofrimento.

Como será a ressurreição dos mortos?

A Bíblia diz que a ressurreição dos mortos vai acontecer no fim dos tempos, quando Jesus voltar. Todas as pessoas que já existiram ressuscitarão e serão julgadas por Deus. Alguns receberão castigo eterno mas outros receberão a vida eterna (Daniel 12:2).

Deus irá julgar cada um de acordo com aquilo que fez durante sua vida. As pessoas que não tiverem seus nomes escritos no livro da vida serão lançados no lago de fogo, junto com o diabo, onde sofrerão condenação eterna. Essa é a segunda morte (Apocalipse 20:13-15). Mas os salvos receberão:

Um corpo transformado

Esse será um corpo espiritual, não corrompido pelo pecado. O novo corpo dos salvos não ficará velho nem se vai deteriorar. Será um corpo glorioso, como o corpo de Jesus quando ele ressuscitou (1 Coríntios 15:42-44).

Consolação

Deus enxugará todas as lágrimas e dará perfeita alegria aos salvos na ressurreição. Não haverá mais dor nem sofrimento (Apocalipse 21:3-4).

Vida eterna

Na ressurreição, os salvos vão morar para sempre junto de Deus! Não vai haver mais morte. Todos viverão para sempre, recebendo vida eterna diretamente de Deus (Apocalipse 22:3-5). A alegria durará para sempre!

A ressurreição espiritual
A Bíblia também fala sobre a ressurreição espiritual. Por causa do pecado, todos estão mortos espiritualmente, porque estão separados de Deus, a fonte de toda vida. Quando uma pessoa se arrepende e crê em Jesus, ela volta a ter vida! - Efésios 2:4-7

Jesus nos dá uma nova vida. Agora vivemos para Deus, para fazer Sua vontade. Não estamos mais mortos no pecado. Por isso, nossa vida se torna diferente quando temos Jesus.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE OS FALSOS PROFETAS?




A Bíblia diz que os falsos profetas são perigosos e causam muitos problemas. Deus não se agrada dos falsos profetas, porque falam mentiras em Seu nome (Jeremias 23,32). Devemos evitar os falsos profetas.

Um profeta é uma pessoa que recebe e transmite uma revelação de Deus. Um falso profeta não recebe uma revelação de Deus mas diz que recebeu. O falso profeta engana as pessoas com mensagens falsas, que não vêm de Deus.

A Bíblia conta sobre alguns falsos profetas. Eles eram bem recebidos pelo povo porque diziam o que as pessoas queriam ouvir, mas sua mensagem era inventada. Os falsos profetas se opunham aos verdadeiros profetas, que revelavam seu pecado e os confrontavam com a verdade. Os falsos profetas causavam muitos problemas porque levavam o povo a desobedecer a Deus.

Jesus avisou que nos últimos tempos iriam surgir muitos falsos profetas para enganar até os crentes (Mateus 24:24-25). Por isso, quando alguém diz que é profeta, é muito importante analisar a profecia à luz da Bíblia para ver se é verdadeira ou falsa (1 Coríntios 14:29). O ensino do falso profeta deve ser rejeitado. Deus castigará os falsos profetas.

Há profetas hoje?

Sim, há profetas hoje. A Bíblia não diz em lugar algum que o dom de profecia era temporário. Os verdadeiros profetas de hoje não acrescentam doutrinas novas à igreja.

Qual é a função do profeta?

De acordo com a Bíblia, a função do profeta é ajudar a edificar a igreja, transmitindo uma revelação dada por Deus (1 Coríntios 14:3). O profeta fala o que Deus lhe manda falar. Não é trabalho de o profeta interpretar as profecias nem criar doutrinas novas.

O trabalho do profeta de hoje é ajudar pessoas ou comunidades com revelações de Deus especificamente para aquelas pessoas. Não acrescenta nada à palavra da Bíblia, mas ajuda a tornar mais evidente sua aplicação na vida de cada um. O profeta instrui, encoraja e consola. A profecia também pode convencer o pecador (1 Coríntios 14:24-25).

O dom de profecia era só até a Bíblia estar completa?

A Bíblia não diz isso. A Bíblia nunca trata o dom de profecia como algo temporário. Na verdade, seria estranho que Paulo dedicasse um capítulo inteiro (1 Coríntios 14) aos dons de profecia e falar em línguas se achasse que iriam parar de existir em breve!


A Bíblia diz que devemos buscar o dom de profecia para ajudar a igreja (1 Coríntios 14:1). Isso implica que ainda existe. Nas listas de dons espirituais, a profecia é mencionada junto com dons “menos sobrenaturais” como servir, dar ânimo e administrar (Romanos 12:6-8). Nada sugere que alguns desses dons iriam acabar e outros iriam continuar.

1 Coríntios 13:8-12 explica que um dia as profecias e o conhecimento cessarão. Isso acontecerá quando vier o que é perfeito. A profecia é apenas uma revelação incompleta, tal como nosso conhecimento é imperfeito. Por enquanto vemos somente um reflexo obscuro mas no futuro veremos face a face e teremos conhecimento pleno. Essa passagem não está falando sobre a conclusão da Bíblia. Mesmo com a Bíblia não temos conhecimento pleno. A passagem fala sobre quando formos para o Céu, junto de Deus. Até esse dia, o dom de profecia ainda é válido.

Como reagir quando alguém diz ser profeta?

Quando alguém diz ser profeta, devemos analisar o que diz à luz da Bíblia (1 Tessalonicenses 5:20-22). Nem todo que diz que é profeta vem de Deus. Também existem falsos profetas, que causam problemas.

O profeta de Deus:

Glorifica a Deus – não procura sua própria glória nem usa o dom de profecia para se tornar poderoso ou influente

Não contradiz a Bíblia – o profeta não inventa novas doutrinas nem distorce o ensino da Bíblia

É servo – profetiza para ajudar outras pessoas, não para dar espetáculo nem para parecer importante.

Suas profecias se cumprem – se profetiza sobre o futuro, vai acontecer o que diz, senão não é profeta de Deus.

A Bíblia diz que quando alguém profetiza, outros devem julgar o que diz (1 Coríntios 14:29). Isso significa que devemos analisar a profecia antes de acreditar nela. De preferência, a profecia deve ser julgada por líderes e membros sábios da igreja, que têm bom conhecimento da Bíblia.

Como reconhecer um falso profeta?

A Bíblia ensina como reconhecer falsos profetas. Existem vários sinais que podem indicar se alguém é um falso profeta, se sua profecia não vem de Deus. Conhecendo a Bíblia, podemos evitar ser enganados por falsos profetas.
Jesus avisou que iriam surgir muitos falsos profetas no mundo. Isso não significa que todos os profetas são falsos. Precisamos analisar cada profecia e aprender a identificar quem é falso profeta e quem realmente recebeu uma palavra de Deus (1 Tessalonicenses 5:20-21).

A Bíblia diz que as características que identificam um falso profeta são:

Suas profecias não se cumprem

Esse é o sinal mais óbvio de um falso profeta. Se a profecia não se cumprir, então não foi uma profecia verdadeira (Deuteronômio 18:21-22). Se um profeta diz que alguma coisa vai acontecer e não acontece, a culpa não é da falta de fé de quem não ouviu. A culpa é do profeta, que inventou uma “profecia”, que não veio realmente de Deus.

Atenção: é muito importante analisar com cuidado o que a profecia diz. Na Bíblia, muitas profecias vinham com condições; por exemplo, uma profecia de destruição podia ser revogada se as pessoas se arrependessem. Também é importante ver se a profecia tem data para ser cumprida. Profecias sem data na Bíblia podiam ser cumpridas dentro de poucos dias ou depois de centenas de anos!

Distorcem ou contradizem a Bíblia

Esse é um ponto muito importante para identificar um falso profeta. Mesmo se fizer milagres e algumas de suas profecias se cumprirem, se sua mensagem não está de acordo com a Bíblia, é um falso profeta. Não acredite nele! É uma armadilha (Gálatas 1:8-9).

Jesus disse que alguns falsos profetas teriam poder para fazer milagres e outras coisas que verdadeiros profetas fazem (Mateus 24:24-25). Mas a mensagem do profeta é a coisa mais importante. Por isso, é muito importante estudar e conhecer a Bíblia, para não ser enganado por falsos profetas, com ensinamentos errados.
.
Desviam de Deus

Alguns falsos profetas podem ser reconhecidos porque levam as pessoas a adorar outros deuses (Deuteronômio 13:1-3). Se um profeta convida a adorar ou dar mais valor a qualquer outra pessoa ou coisa que não seja Deus, é um falso profeta. Deus o castigará.

Frutos ruins

Jesus disse que podemos reconhecer falsos profetas por seus frutos (Mateus 7:15-17). O verdadeiro profeta, que segue Jesus, dá bons frutos, mas o falso profeta dá frutos ruins. Como é o caráter do profeta? Ele reconhece seus erros e sua dependência de Deus? Ele ama seus irmãos? Ninguém é perfeito mas se o profeta não tem amor nem humildade para admitir que tem falhas, algo está errado.

Negam Jesus

A salvação por meio de Jesus é a mensagem central do evangelho (2 Pedro 2:1-3). Se um profeta nega alguma dessas coisas, é um falso profeta e sua mensagem deve ser ignorada.

Existe um só Deus

• Todos pecaram e merecem o castigo de Deus
• Jesus é Deus, que veio à terra e viveu como homem de carne osso
• Jesus morreu na cruz por nossos pecados
• A salvação vem pela fé em Jesus e o arrependimento dos pecados
• Jesus é o único caminho para Deus

São manipuladores

Um falso profeta fala mentiras em nome de Deus. Portanto, não é surpresa que seja bom manipulador, enganando as pessoas (Romanos 16:17-18). Se um profeta apenas fala o que a audiência quer ouvir, pondo de lado a mensagem do arrependimento para a salvação, ou tenta distorcer tudo sempre a seu favor, é mau sinal. Cuidado com ele. O verdadeiro profeta diz a verdade, mesmo quando dói ou é inconveniente.

Provocam brigas e muitos problemas

Alguns falsos profetas podem ser reconhecidos pelas pessoas que os seguem. Se um profeta ativamente incentiva controvérsias, difamações, suspeitas e brigas sobre coisas pequenas como palavras, não é bom (1 Timóteo 6:3-5).

O verdadeiro profeta deveria promover a paz e reconciliação entre irmãos, concentrando na mensagem principal do evangelho. Não é bom dar atenção desmedida a controvérsias sobre coisas secundárias, como se fossem pontos centrais do evangelho. Falsos profetas muitas vezes focam em coisas secundárias para desviar a atenção do mais importante – o evangelho de Jesus Cristo.